Acompanhe nossos conteúdos!

Artigos e notícias sobre o segmento de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos industriais e de saúde. Confira aqui!

Disposição final de resíduos: Conheça um pouco sobre aterro

Uma das formas de disposição final de resíduos de diferentes categorias está em aterros. A técnica é considerada uma das mais eficientes e seguras, pois permite o controle seguro do processo de gerenciamento de resíduos, principalmente os sólidos.

É importante ressaltar que os aterros também são grandes produtores de materiais considerados perigosos e que podem proporcionar a contaminação do solo, do lençol freático e também do ar. Todavia, com o avanço da ciência é possível transformar as reações biológicas e químicas ocorridas em um aterro em biogás, húmus e em outros produtos que podem ser relevantes para a humanidade.

O Biogás, por exemplo, tem um grande potencial combustível e, quando não utilizado adequadamente, pode ser um grande fator para o aumento do aquecimento global. O biogás é rico em metano – CH4 e tem um poder de aquecimento 21 vezes maior do que o dióxido de carbono podendo ser utilizado para produção de energia.

Tipos de aterro

Aterro Sanitário

Os aterros sanitários são uma das opções mais adequadas para a disposição final de resíduos sólidos de matriz urbana.  Ocasionalmente são projetados e desenvolvidos para minimizar o impacto socioambiental do produto.

Geralmente os terrenos utilizados como aterros sanitários são impermeabilizados com argilas e mantas de PVC, dificultando assim a contaminação dos solos e o acesso de possíveis vetores de doenças.

Dentro dos aterros sanitários devem ser construídos sistemas de drenagem dos efluentes líquidos, além de uma drenagem que permita a coleta de biogás. É importantíssimo que o aterro sanitário seja bem vedado para evitar ao máximo o vazamento de qualquer tipo de material líquido.

 

Aterros controlados

Já os aterros controlados são de estrutura considerada mais simples e recebem diariamente coberturas de terra, proporcionando assim, um visual mais limpo e diminuindo o mau cheio e a proliferação de animais.

Os aterros controlados, em sua maioria, também servem como produtores de biogás e possuem um sistema de drenagem de chorume e de outros materiais que ocasionalmente podem ser reaproveitados de algum modo.

 

Aterro da Pró-Ambiental

A Pró-Ambiental foi pioneira na criação do primeiro Aterro Industrial Classe I, devidamente licenciado, em operação comercial no estado de Minas Gerais. O projeto foi desenvolvido dentro das mais modernas técnicas, garantindo total segurança ambiental.

O método construtivo e as operações do aterro visam a proteção do solo e das águas subterrâneas. A célula descarga de resíduos possui cobertura com a finalidade de proteger a célula das intempéries e impossibilitar a geração de percolados.

Além do extremo cuidado da Pró-Ambiental em relação à cobertura, todo o aterro está equipado de sistema de drenagem e tratamento de percolado, obrigatório para atender as normas técnicas e ambientais.

A sua empresa necessita de gerenciamento de resíduos? Fale com um especialista da Pró-Ambiental 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Classificação dos resíduos de saúde e importância do descarte correto

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária dispõe de regulamentos Técnicos a fim de orientar as empresas no gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, tanto saúde animal, quanto humana, englobando manipulação, transporte e descarte dos resíduos. A Resolução RDC nº 33/03 tem como objetivo evitar danos ao meio ambiente e prevenir acidentes que atinjam profissionais que trabalham diretamente nos processos de coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação desses resíduos. No Capítulo III, aborda  que o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), a ser elaborado pelo gerador dos resíduos (ou seja, hospitais, clínicas etc.), deve ser compatível com as normas locais relativas à coleta, transporte e disposição final dos resíduos gerados nos serviços de saúde, estabelecidas pelos órgãos locais responsáveis por estas etapas.

Segundo a Anvisa, os resíduos de saúde estão classificados em 5 grupos. Confira:

 

Grupo A – Resíduos potencialmente infectantes

São resíduos que possuam presença de agentes biológicos e que apresentem risco de infecção. Ex.: bolsas de sangue contaminado.

 

Grupo B – Resíduos químicos

São resíduos que contenham substâncias químicas capazes de causar risco à saúde ou ao meio ambiente, independente de suas características inflamáveis, de corrosividade, reatividade e toxicidade. Ex.: Medicamentos para tratamento de câncer, reagentes para laboratório e substâncias para revelação de filmes de Raio-X.

 

Grupo C – Resíduos radioativos

São resíduos de materiais que contenham radioatividade em carga acima do padrão e que não possam ser reutilizados. Ex.: Exames de medicina nuclear.

 

Grupo D – Resíduos comuns

São resíduos de qualquer lixo que não tenha sido contaminado ou possa provocar acidentes. Ex.: Gesso, luvas, gazes, materiais passíveis de reciclagem e papéis.

 

Grupo E – Resíduos perfurocortantes

São objetos e instrumentos que possam furar ou cortar. Ex.: Lâminas, bisturis, agulhas e ampolas de vidro.

 

Como as empresas podem fazer o descarte correto dos resíduos de saúde?

É uma importante que as empresas façam a destinação correto de cada grupo de resíduos. Uma vez que, caso esses materiais entrem em contato com o solo ou a água, podem causar sérias contaminações no ambiente e causar danos à vegetação. Além disso, no caso de materiais perfurantes contaminados, podem acarretar sérios riscos à saúde da população, caso sejam descartados em aterros sanitários comuns.  

 

Cada grupo é representado por um símbolo. Veja:

 

Grupo A – Resíduos potencialmente infectantes

É identificado, no mínimo, pelo símbolo de risco biológico, com rótulo de fundo branco, desenho e contornos pretos, acrescido da expressão RESÍDUO INFECTANTE.

 

Grupo B – Resíduos químicos

O grupo B é identificado por meio de símbolo e frase de risco associado à periculosidade do resíduo químico. 

 

Grupo C – Resíduos radioativos

O grupo C é representado pelo símbolo internacional de presença de radiação ionizante (trifólio de cor magenta ou púrpura) em rótulo de fundo amarelo, acrescido da expressão MATERIAL RADIOATIVO, REJEITO RADIOATIVO ou RADIOATIVO.

Grupo D – Resíduos comuns

O grupo D deve ser identificado conforme definido pelo órgão de limpeza urbana. São descartados em sacos pretos.

 

Grupo E – Resíduos perfurocortantes

É identificado pelo símbolo de risco biológico, com rótulo de fundo branco, desenho e contorno preto, acrescido da inscrição de RESÍDUO PERFUROCORTANTE.

 

 

 

A Pró-Ambiental trata cada tipo de resíduo de acordo com as normas vigentes. Sempre pensando no meio ambiente, na segurança dos colaboradores e da população, e na agilidade da coleta desses materiais.

 

Solicite agora mesmo um orçamento sem compromisso para sua empresa. 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Top

hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh