Acompanhe nossos conteúdos!

Artigos e notícias sobre o segmento de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos industriais e de saúde. Confira aqui!

Quais as diferenças entre lixo, resíduo e rejeito?

As definições de “lixo”, “resíduos” e “rejeitos” são muitas vezes determinadas como sinônimas. No entanto, essa concepção está equivocada. Apesar de possuírem semelhanças em alguns aspectos, cada termo conta com suas características próprias e particularidades que devem ser compreendidas. 

Entender as diferenças entre as três palavras é essencial para uma destinação correta dos resíduos, além de ser uma forma de ganhar dinheiro, visto que existem inúmeros compradores e fornecedores no mercado que podem estar precisando do seu coproduto. 

Para te ajudar a diferenciar os três termos, escrevemos esse artigo pontuando as principais características do lixo, do resíduo e do rejeito.

O que é lixo?

Seguindo a definição do dicionário, a palavra “lixo” consiste teoricamente em tudo aquilo que não possui mais nenhum tipo de utilidade e pode ser descartado. Algo que perdeu valor.

Mesmo sendo o termo mais popular e recorrente das três no dia a dia, no meio técnico e especializado muito se evita o uso da palavra.

 Isso porque com as evoluções tecnológicas e com as avançadas técnicas de reciclagem que temos atualmente, é muito difícil um material se tornar totalmente inutilizável e descartável de modo que não possa ser reaproveitado de nenhuma maneira. 

O que é resíduo?

O resíduo consiste em um material que, mesmo após ter sido descartado por alguém, ainda pode ser reciclado ou reaproveitado de maneira que se transforme em uma nova matéria-prima que tenha utilidade. 

Dessa forma, os resíduos podem ser reciclados e utilizados para diversas outras funções e finalidades

 No entanto, para o processo de reciclagem ocorrer da melhor forma possível, é importante que você conheça os tipos mais comuns de resíduos sólidos produzidos, que são:

– Resíduos urbanos: papel, plástico, metal, vidro, matéria orgânica, etc. 

– Resíduos da construção civil: produzidos em construções, obras e demolições.

-Resíduos industriais: provenientes de processos industriais, vide fabricação de peças, usinagem, etc.

– Resíduos hospitalares: produzidos em hospitais, clínicas de odontologia e veterinárias.

E para o descarte dos resíduos ser realizado da forma correta, separe-os conforme suas classificações e entre em contato com uma empresa especializada em destinação de resíduos para realizar o serviço. 

O que é rejeito?

Por fim, o rejeito representa a fase em que o material descartado tornou-se de fato totalmente obsoleto, descartável e não utilizável para nenhuma função.

Em suma, o rejeito é uma forma específica de resíduo que, por ter sido reutilizada tantas vezes, já foi inteiramente esgotada e não pode mais ser aproveitada ou reciclada. 

 Nesse caso, os rejeitos possuem como única alternativa possível a sua destinação para aterros sanitários licenciados ou até mesmo a incineração. 

Apesar de constantemente confundidos, você viu que existem boas diferenças entre o lixo, o resíduo e o rejeito.  Ao compreender os pontos que diferem um de outro, a gestão de resíduos realizada pela sua empresa será realizada de forma muito mais rápida e fácil.

E precisando de serviços de coleta, transporte, valorização e destinação final de resíduos, lembre-se que pode contar com a Pró-Ambiental. Afinal, são 15 anos de relevância e experiência no mercado, buscando sempre realizar um trabalho de excelência para nossos clientes.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Quais as vantagens da incineração de resíduos?

A incineração é considerada um método muito eficiente para a destinação dos resíduos produzidos por uma empresa. Como uma prática sustentável, a incineração de fato possui diversos pontos positivos. 

Entretanto, é válido frisar que deve-se contratar especialistas para a prática manter tal efetividade. Os níveis de emissões atmosféricas legalizados pela norma cobram 0,0000098, já os índices emitidos pela tecnologia avançada da Pró-Ambiental atingem apenas 0,00000000000000000098. Continue a leitura do artigo e entenda o porquê é vantajoso incinerar resíduos.

Vantagens da incineração de resíduos 
  • Reduz o volume de resíduos: A maior vantagem do processo de incineração é a drástica redução dos resíduos que seriam destinados para aterros. Como consequência dessa redução, o aterro no qual os resíduos seriam enviados acaba ganhando mais espaço e vida útil.
  • Gera lucro: A incineração tem também a grande vantagem de produzir energia conforme a prática acontece. A queima dos resíduos gera energia térmica que, posteriormente pode se transformar energia elétrica. Além disso, as cinzas resultantes do método também podem ser comercializadas para a produção de materiais como cimento e cerâmica.
  • Ótimo para destinação de resíduos perigosos: Uma das melhores formas de destinar resíduos perigosos é incinerando. Por eles apresentarem alto grau de periculosidade em suas composições, a destruição completa que o processo de incineração promove é a maneira mais segura de destinar. 
  • Preserva o meio ambiente: Por último mas não menos importante, a incineração evita o acúmulo de resíduos em locais indevidos, contribuindo assim para a prevenção a poluição e contaminação do solo, rios, etc. 

 

Sem dúvida nenhuma, a incineração representa uma ótima opção para destinar os resíduos que empresas produzem. O ponto principal aqui é ressaltar os prós e analisar se a empresa oferecedora do serviço de incineração, atende a todas as normas e assumem compromisso com o meio ambiente.

A Pró Ambiental é empresa pioneira na America Latina na incineração de resíduos perigosos, por meio da utilização de um maquinário com tecnologia alemã. Trabalho com excelência na qualidade, respaldo às empresas e manutenção do meio ambiente.

E como vai o gerenciamento de resíduos da sua empresa? A Pró-Ambiental pode te auxiliar a realizar desde a fase de coleta até o tratamento, transporte e destinação final. Afinal, os 15 anos de experiência no mercado atestam a qualidade no nosso trabalho. Entre em contato conosco e vamos fechar essa parceria! 

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Resíduos de supermercado: Como proceder?

Classificados pela lei 12.305/2010 Art.3 da Política Nacional de Resíduos Sólidos como parte do grupo de “grandes geradores”, os supermercados são estabelecimentos que trabalham com uma enorme variedade de produtos, tornando-os poluidores em potencial e trazendo à tona a necessidade de um gerenciamento de resíduos operante. Afinal, a quantidade do volume residual produzido em apenas um dia de trabalho é gigantesca. 

Restos orgânicos, sacolas plásticas, papelão e madeiras são os tipos mais comuns de materiais que são descartados nos supermercados. Portanto, nesse ambiente é possível acharmos a grande maioria dos tipos de resíduos, inclusive os caracterizados como “perigosos”

Consequentemente, torna-se inevitável a instauração de um gerenciamento de resíduos que de fato funcione no supermercado. Você sabe como desenvolver um? Continue a leitura que explicaremos ao decorrer do artigo. 

Conheça os resíduos produzidos no supermercado

O primeiro e indispensável passo para elaborar um gerenciamento eficiente é reconhecer os tipos de resíduos presentes durante o dia a dia do supermercado. Além de facilitar o processo de destinação, também é uma forma de mensurar os materiais que possam estar sendo desperdiçados.

Apesar dos resíduos sólidos (papelões, madeiras, orgânicos, sacolas plásticas) representarem a maioria, outros tipos de resíduos como sobras de líquidos e produtos de limpeza também são produzidos. E alguns deles podem apresentar características nocivas para a saúde e para o meio ambiente, o que deve redobrar o cuidado durante o processo de gerenciamento. 

Nesse cenário, é importante ter em mente que os resíduos, ao serem separados, não devem ser misturados. Respeite as propriedades de cada um. 

Envolva os funcionários do mercado no mesmo objetivo 

O objetivo de reduzir a produção e destinar corretamente os resíduos produzidos não pode partir de apenas uma pessoa. Dessa forma, todos os funcionários do supermercado devem possuir o mesmo direcionamento quanto o gerenciamento residual. 

Busque orientar e alertar os funcionários sobre os perigos do descarte indevido de resíduos, explicitando como eles podem ser peças fundamentais e ativas para a preservação do meio ambiente.  

Portanto, envolver os seus colaboradores é imprescindível para o processo ocorrer de forma mais fluida. Afinal, quanto mais pessoas estiverem empenhadas, mais resultados aparecerão. 

Realize um PGRS 

O PRGS (Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos) é um documento que deve anualmente ser apresentado ás autoridades fiscalizadoras municipais.

Esse documento é importante por servir como um atestado de que o supermercado é capacitado para gerenciar o próprio resíduo gerado em suas atividades. 

Ao elaborar e colocar o PGRS em prática, além de estar em dia com a lei 12.305/2010, você também estará garantindo um processo de gerenciamento de qualidade para o supermercado. 

Contate uma empresa especializada 

Por fim, contar com um aparato profissional é sempre uma garantia de segurança. Pensando nisso, procure uma empresa especializada no ramo de resíduos para auxiliar no processo de gerenciamento residual do seu supermercado. 

Essas empresas possuem tanto o know how quanto os equipamentos necessários para a realização desde as tarefas de coleta até a destinação final de resíduos. 

A Pró-Ambiental está pronta para te ajudar nesse objetivo de proteger o meio ambiente e transformar o mundo em um lugar melhor. Nos contate e firme essa parceria! 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Resíduos sólidos, líquidos, afluentes e efluentes: Entenda a diferença

Você sabe diferenciar resíduos sólidos e líquidos? Afluentes e efluentes? Apesar dessas definições serem relativamente parecidas em muitos aspectos, esses grupos possuem características muito particulares entre eles. Características essas que devem ser identificadas e respeitadas para, por exemplo, a adoção de um PGRS. 

 

Se sua empresa possui uma consciência ambiental desenvolvida e realiza o bom gerenciamento de resíduos, conhecer as similaridades e diferenças entre sólidos, líquidos, afluentes e efluentes torna-se uma tarefa quase que obrigatória. 

 

Ainda não conhece as particularidades desses termos? No decorrer do artigo, deixaremos tudo bem claro para você. 

 

 

  • Resíduos sólidos 

 

 

Como consta na lei 12.305/2010 da Política Nacional de Resíduos Sólidos, esse grupo de resíduos é caracterizado por materiais provenientes do uso humano descartados que apresentem características sólidas, semi sólidas, gasosas e, por mais curioso que pareça, líquidas.

 

Sim, líquidos também podem ser considerados como resíduos sólidos. Nesse caso, para estarem configurados nesse grupo, esses resíduos devem possuir características que os inviabilizam de ser descartados em corpos d’água ou na rede pública de esgoto. 

 

Dentre essa classificação, podemos achar materiais descartados tanto em atividades domésticas quanto em processos industriais. Por fim, grande parte dos resíduos sólidos pode ser reutilizada através do método da reciclagem. 

 

– Efluentes 

 

Nessa classificação, encontramos todos os materiais que saem de algum processo de tratamento e são gerados a partir da atividade humana. Os efluentes que passarem por esse tratamento podem ser despejados em corpos d’água sem riscos de contaminação do meio ambiente.  

 

 Assim como os resíduos sólidos, os efluentes também podem ser classificados em duas divisões, cada uma com suas características próprias: os efluentes domésticos e os efluentes industriais. 

 

Dos efluentes domésticos, podemos citar os materiais do dia a dia dentro de casa como esgoto, caixa de gordura e fossas sépticas. E no caso dos industriais, encontramos os resíduos que não possuem mais utilidade para atividades de produção nas fábricas e são descartados, como lodo líquido, água de lavagem, água residuária, etc. 

 

 

  • Afluentes 

 

 

Os afluentes são, falando de forma geral, cursos de água pequenos e naturais que desaguam em algum rio principal. Ou seja, os afluentes são os caminhos de água que atuam como uma forma de aumentar outros corpos com maior extensão, adicionando mais volume para eles.  

 

Apesar de serem caracterizados como recursos naturais, os afluentes também necessitam passar por processos de tratamento para que tornem-se apropriados para o uso humano nas atividades cotidianas, como higiene e limpeza. 

 

No método de tratamento dos afluentes, a água passa por um processo de purificação das impurezas e resíduos provenientes da própria natureza como galhos, partículas orgânicas e pequenos pedaços de folhas. 

 

Mesmo com pontos semelhantes, os resíduos sólidos, líquidos, afluentes e efluentes apresentam características bem distintas se analisarmos com cautela. E compreender o que cada um representa é um diferencial que faz a diferença, especialmente se você deseja adotar uma gestão de resíduos na sua empresa. 

 

E caso você precise de algum auxílio profissional para gerenciar os resíduos, conte com a Pró-Ambiental. Com mais de 15 anos de experiência na bagagem, a empresa garante excelência desde a coleta até a destinação final de resíduos. Clique e entre em contato conosco!

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Como realizar um armazenamento de resíduos industriais

Diariamente, uma enorme quantidade de resíduos dos mais diversos tipos é produzida pelas indústrias e fábricas. São toneladas de objetos descartados que, se não destinados e armazenados de maneira correta, podem ocasionar em consideráveis impactos ambientais. 

Com essa informação em mente, prova-se necessário um processo de armazenamento de resíduos industriais que seja eficiente. Valorizando essa importante etapa, sua empresa estará contribuindo de forma ativa para questões socioambientais. 

No decorrer do artigo, separamos importantes pontos acerca desse processo do armazenamento de resíduos industriais.

 

Por que realizar o armazenamento de resíduos industriais?

Principalmente por estarmos vivendo em um século onde diariamente surgem novos tipos de produtos no mercado dos mais variados gêneros, tamanhos e consistências, o acúmulo residual, por consequência, cresce exponencialmente. 

No cotidiano das indústrias, esse cenário se potencializa, especialmente em casos de empresas que contam com objetos contaminantes, tóxicos e de alta periculosidade no dia a dia de trabalho. 

Portanto, essas empresas têm a responsabilidade social e ambiental de garantir que tais produtos não sejam descartados de qualquer maneira na natureza. E é nessa realidade que um armazenamento de resíduos industriais correto torna-se essencial. 

 

Como realizar um armazenamento de resíduos industriais?

Sabendo o motivo de realizar esse processo, o próximo passo é compreender como deve ser feito efetivamente o armazenamento de resíduos industriais. Para isso, algumas etapas devem ser bem elucidadas: 

  1. Conheça os resíduos gerados: Primeiro e primordial ponto é conhecer com exatidão quais são os resíduos que a sua empresa produz. 
  2. Classifique os resíduos: Agora, certifique de classificar cada resíduo de acordo com suas propriedades físicas e químicas. 
  3. Estabeleça um local apropriado: Outro ponto de grande importância é encontrar um local adequado para realizar o processo, de preferência longe de locais que possam ser facilmente contaminados. 
  4. Atenção nas normas de armazenagem: Especialmente em casos de resíduos perigosos, existem regras para serem seguidas. Siga as orientações da Associação Brasileira de Normas Técnicas para realizar a armazenagem de maneira correta.

 

Quais as vantagens de realizar um armazenamento correto de resíduos industriais?

Ao tomar as devidas precauções durante o gerenciamento de resíduos e realizar corretamente a armazenagem, você e sua empresa estarão gerando uma série de benefícios diretos e indiretos. 

Armazenando os resíduos, além de atender às legislações ambientais e evitar eventuais multas que poderiam ser cobradas, você também estará contribuindo para a economia da própria empresa. 

Por fim, a atitude de armazenar de forma correta os resíduos ambientais e otimizar a gestão de resíduos será totalmente positiva para a empresa em diversos aspectos extremamente importantes. 

Um bom gerenciamento de resíduos e a armazenagem correta são fatores imprescindíveis para qualquer empresa que possua uma consciência ambiental desenvolvida. Como citado no artigo, realizar esse processo é um passo que trará bons resultados para o local em que trabalha e, o mais importante, ajudará a preservar o meio ambiente. 

 

E claro, precisando de serviços desde a coleta, passando pelo transporte até a destinação final de resíduos? Conte com a experiência de 15 anos de atuação no mercado da Pró-Ambiental.

 

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Incineração de resíduos: o que é e quais resíduos podem ser incinerados?

A incineração de resíduos é uma prática extremamente sustentável e que traz uma série de benefícios para o meio ambiente se for realizada de maneira correta e dentro das normas estabelecidas por leis. Além da diminuição de sobras, o processo de incineração de resíduos também pode gerar energia.

 No entanto, não é qualquer produto que pode ser incinerado de forma segura. Existem casos específicos onde a incineração não é recomendada por apresentar uma série de perigos para o meio ambiente e para a saúde pública. 

Pensando nisso, preparamos nesse artigo uma lista pra te informar com clareza sobre o que é a incineração e quais os tipos de resíduos que podem passar pela incineração de maneira segura. 

O que é a incineração de resíduos?

A incineração é uma eficiente forma de tratamento de resíduo. Nela, basicamente, as sobras dos objetos são queimadas dentro de um forno ou de uma usina própria para o processo. A grande essência da incineração está na formação de cinzas inertes resultantes das altas temperaturas. 

Existem duas técnicas principais de incineração: o Mass Burning, onde o resíduo é incinerado em seu estado bruto e sem pré-tratamento, e o Refuse-derived Fuel, que é onde eles são processados anteriormente. 

No entanto, como dito anteriormente, nem todo resíduo pode ser incinerado. Na verdade, os que devem passar pelo processo são os chamados perigosos, os que apresentam risco biológico ou químico. Resíduos de hospitais e de laboratórios, por exemplo, estão neste grupo.

Por que a incineração é tão eficiente?

O principal motivo da eficiência apresentada pelo processo de incineração está na redução do volume total de resíduos que, se descartados na natureza, apresentariam grande risco tanto para o ambiente quanto para o homem. 

Logo, ao incinerar os resíduos de alta periculosidade, as empresas que contam com essas sobras residuais estão dando a eles um processo de destinação final seguro e sem apresentar riscos ambientais e de saúde pública.

Ademais, a incineração também é importante por estar diretamente ligada com a produção de energia, podendo vir a ser uma forma de lucro para a empresa que realiza o processo. E essa produção energética se faz presente pelo processo de queima, que pode resultar em energia térmica e elétrica. 

Quais os resíduos podem ser incinerados? 

Existem dois principais grupos de resíduos que são mais indicados a passarem pelo processo de incineração: os hospitalares e os industriais. 

Os resíduos hospitalares, ou seja, gerados em ambientes como clínicas, necrotérios, hospitais, etc, estão subdivididos em dois grupos, que são: 

  • Grupo A: Os que possuem um grande potencial infectante e agentes biológicos infecciosos que podem ser transmitidos pelo contato. Luvas cirúrgicas usadas, por exemplo, estão presentes no grupo A. 
  •  Grupo B: São os resíduos químicos, ou seja, os que possuem em suas composições substâncias que podem ocasionar doenças. Remédios para tratamento de câncer e substâncias presentes em materiais de raio X são exemplos do grupo B.

 

Por fim, os resíduos de alta periculosidade produzidos em ambientes industriais também devem passar pela incineração. Defensivos agrícolas são exemplos de resíduos industriais que devem ser incinerados. 

A incineração é uma forma de tratamento extremamente eficiente e recomendada para resíduos perigosas. Nesse processo, além de reduzir consideravelmente as sobras produzidas pela empresa. Você também pode estar como consequência produzindo energia térmica e elétrica. 

E é sempre bom lembrar: sua empresa necessita de um serviço de transporte, tratamento e destinação final de resíduos de qualidade? Conte com os 15 anos de experiência no mercado da Pró-Ambiental! 

 

 

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

3 Dicas para Realizar a Destinação Correta de Resíduos de Tinta

Antes de começarmos uma reforma, muitas vezes pensamos apenas nas fases iniciais do processo. Dessa forma, por conseqüência acabamos esquecendo de pontos importantíssimos que devem ser muito bem planejados. A destinação correta dos resíduos de tintas é um desses tópicos.

Por possuírem substâncias químicas em suas composições, materiais como tintas, vernizes e solventes definitivamente não podem ser descartados como lixo comum, podendo causar danos ambientais consideráveis se destinados de maneira errada.  

Pensando em ajudar você, separamos neste artigo três dicas para destinar corretamente os resíduos de tinta sem impactar o ambiente.

Evite o desperdício de tinta

Pode parecer lógico, mas esse é um dos principais passos para diminuir os resíduos de tinta. Afinal, quanto menos tinta desperdiçada, menos resíduos para serem descartados de forma indevida no ambiente.

Antes de comprar as tintas, se certifique de calcular uma quantidade que será necessária para ser usada no trabalho que deseja. Medindo a área que será pintada você já terá uma noção da quantidade correta.

Aproveite o conteúdo da lata até o final. Use uma espátula para te auxiliar a resgatar até os últimos resquícios aproveitáveis da tinta. E por fim, você pode também misturar as sobras para fazer concreto, se atentando apenas em não misturar tintas à base d’água e à base de solvente.

Lembre-se da lata

Não é apenas a tinta em si que deve passar por um cuidado especial na destinação. As latas e embalagens também precisam ser devidamente tratadas e destinadas de maneira correta para que não causem impactos na natureza.

A forma mais simples e fácil de destinar as latas é reciclando o material. Procure encaminhar as latas que estão vazias para uma Área de Transbordo e Triagem que seja legalizada pela prefeitura ou para um Ponto de Entrega Voluntária (PEV).

O alumínio é um material facilmente reciclável, podendo se transformar em inúmeros novos subprodutos. Logo, a reciclagem dessas latas estará sendo positiva para o meio ambiente e evitando o descarte em locais indevidos.

Procure os fabricantes

Por fim, a maneira mais recomendada para a destinação correta dos resíduos de tinta, verniz ou solvente é a entrega direta para os produtores e fabricantes do produto.

Os fabricantes são responsáveis pelos processos de reutilização e reciclagem das latas de tinta. Sabendo disso, o passo ideal a ser tomado é procurar o fabricante para realizar a entrega do material.

Lembrando que o descarte dessas embalagens com resíduos de tinta em lixo comum é proibido, levando até a possibilidade de eventuais denúncias ao Ministério Público a quem realizar esse tipo de ação. Logo, o melhor a ser feito é contatar o fabricante da tinta para o recolhimento do material.

 

Ao realizar o processo de descarte de maneira correta, você estará contribuindo para a diminuição do acúmulo de resíduos no ambiente. Consequentemente, também estará ajudando a construir um futuro melhor para as nossas próximas gerações.

E claro, precisando de serviços de tratamento, transporte e destinação final de resíduos, conte com os 15 anos de experiência no mercado da Pró-Ambiental.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Como escolher uma empresa para fazer a gestão dos resíduos do seu negócio?

Especialmente nos anos em que vivemos, pensar em um futuro mais sustentável é de uma importância enorme. Dentro do ramo dos negócios, se certificar de que sua empresa está seguindo uma cartilha de ações benéficas para a natureza, torna-se uma obrigação. 

No entanto, para essa tarefa ser realizada com êxito e sem maiores percalços, a escolha de uma empresa parceira preparada para realizar uma gestão de resíduos eficiente torna-se o diferencial para o sucesso ou fracasso de suas futuras práticas ecologicamente corretas.

Pensando em te auxiliar nesse momento de escolha, separamos neste artigo 4 pontos que te explicam passo por passo como escolher a melhor empresa para auxiliar a gestão de resíduos no seu negócio.

 

Por que preciso de uma empresa para me auxiliar?

Seguindo a legislação brasileira, as empresas são inteiramente responsáveis pela produção dos resíduos provenientes de suas atividades. E como “responsável”, entende-se que é dever da própria companhia se atentar desde a produção do resíduo até o momento de destinação final. 

No entanto, mesmo com o necessário engajamento dos funcionários na adoção de práticas sustentáveis, algumas tarefas podem não ser realizadas da melhor forma pela falta de equipamentos ou até mesmo da expertise necessária que apenas uma empresa especializada pode oferecer.

É nesse cenário que uma boa e confiável empresa de gestão de resíduos se mostra necessária. Ao deixar essas atividades na mão de profissionais,a gestão residual do seu negócio ocorrerá de maneira correta e fluida. 

 

Pesquise sobre os serviços prestados pela empresa

Nesse primeiro momento, o passo a ser tomado é realizar uma pesquisa de mercado, analisando quais empresas apresentam os melhores benefícios e serviços efetivos. 

É recomendável que você visite pessoalmente a sede da empresa, se atentando em aspectos importantes como a infraestrutura apresentada, a prestatividade e proatividade dos funcionários e as formas de tratamento de resíduos lá utilizadas. 

Sabendo com precisão a forma de trabalho da empresa em cada um desses tópicos, você poderá contratar os serviços prestados sem preocupações.

 

Cheque a documentação da empresa

No ramo de coleta e destinação de resíduos, existem alguns documentos específicos que as empresas da área obrigatoriamente devem possuir. 

Verifique se a sua potencial parceira na gestão de resíduos está em dia com o licenciamento ambiental (CETESB) e sanitário (ANVISA), além de conferir se está tudo certo com o alvará. 

Checar a documentação da empresa é uma segurança, afinal, devemos priorizar sempre fechar negócio com parceiras devidamente regulamentadas.

 

Não ignore a experiência da empresa

Por último mas não menos importante, é essencial que você feche parceria com uma empresa que tenha um nome já estabelecido no mercado. 

Os anos de prática e relevância na área te garantirão um resultado final produtivo e totalmente benéfico para o seu negócio, portanto, pesquise sobre a história e a reputação que a empresa conquistou com o decorrer dos anos. 

A Pró-Ambiental tem mais de 15 anos de atuação, prática e excelência. Sendo uma referência no ramo, trabalhamos desde o processo de coleta, passando pelo transporte até a destinação final de resíduos. 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh