O que fazer com os resíduos de clínicas de estética?

O mercado dos tratamentos de estética é um dos que mais movimentam o país. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, o Brasil tem um dos maiores mercados consumidores de beleza e estética no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e a China. Ainda segundo o levantamento, o nicho da estética é um dos que mais crescem e conta hoje com mais de um milhão de profissionais registrados e especializados na área.

Diante de um mercado que movimenta tanto o país, torna-se necessário pensar em questões relacionadas ao tratamento de resíduos de clínicas de estética e beleza.  Neste tipo de resíduo, o risco de transmissão de doenças e infecções é muito maior, uma vez que, os materiais utilizados para os tratamentos têm contato direto com secreções, sangue, pelos, cabelos, unhas, cutículas, entre outros

Portanto, o manejo e gerenciamento adequado deste tipo de resíduo é extremamente necessário para não oferecer riscos de contaminação tanto para a saúde humana quanto para o meio ambiente.

A Clínica estética deve seguir à risca os regulamentos dispostos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). É importante também que a clínica estética esteja em concomitância com as legislações próprias dispostas pelos governos estaduais e municipais.

 

Como identificar os resíduos de clínica estética?

Tratamentos de pele, de cabelos, unhas, para emagrecimento, limpezas dentre tantos outros, produzem resíduos. Estes podem ser categorizados como Resíduos de Serviço de Saúde (RSS). De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) os Resíduos de serviços de saúde podem ser subdivididos em cinco grupos diferentes, que são:

  • Grupo A: No primeiro grupo, estão resíduos que possivelmente possuem agentes biológicos, desta maneira, apresentando riscos de causar infecções.
  • Grupo B: Neste grupo de resíduos estão presentes  substâncias químicas que, possivelmente, conferem risco à saúde pública ou ao meio ambiente.
  • Grupo C: Este grupo é constituído por materiais originados de atividades que possuem radionuclídeos em quantidades acima dos limites aceitáveis segundos as normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEM).
  • Grupo D: O grupo é composto por resíduos que não apresentam risco químico, biológico ou radioativo para seres vivos, muito menos ao meio ambiente, como por exemplo, papel de uso sanitário, fraldas, restos alimentares de paciente, entre outros.
  • Grupo E: Fazem parte deste grupo material perfuro cortantes ou escarificantes.

 

Na área da estética, os resíduos gerados se agrupam em função das suas características e riscos oferecidos tanto para a saúde humana quanto para o meio ambiente. Os resíduos de clínicas de estética apresentam fundamental importância nos grupos B e E, onde há risco eminente de contaminação à população e ao meio ambiente.

A Pró-Ambiental atua há mais de 15 anos no tratamento de resíduos e realiza todos os processos de tratamento de resíduos de clínicas de estética, respeitando sempre a legislação em vigência.

Para mais informações sobre nosso trabalho, entre em contato conosco.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Matérias Relacionados

A incineração de resíduos é uma prática extremamente sustentável e que traz uma série de benefícios para o meio ambiente se for realizada de maneira correta e dentro das normas estabelecidas por leis. Além da diminuição de sobras, o processo de incineração de resíduos impede a produção de gás metano liberado pelo lixo em aterros […]

Os resíduos de saúde são produzidos em qualquer lugar que presta serviços médicos, tanto para humanos como para animais, hospitais, clínicas, laboratórios e farmácias – que diariamente descartam grande quantidade de materiais contaminados por bactérias, vírus, sangue e substâncias potencialmente perigosas, que podem, inclusive, ser radioativas. Medicamentos vencidos, tecidos, órgãos corporais, instrumentos perfuradores e fluídos corporais […]

Você sabe identificar o que são os resíduos de saúde? Sabe também como fazer a separação correta para evitar a contaminação? Os Resíduos de Saúde podem ser considerados todos os rejeitos produzidos por prestadores de serviços médicos, de enfermagem, laboral, odontológico, farmacêutico, veterinário e até por instituições de pesquisa médica que produzem produtos que oferecem […]

Já parou para pensar a quantidade de resíduos de serviços de saúde cursos de graduação da área de saúde produzem? Agulhas, gazes, algodões, seringas dentre outros objetos possuem um alto risco de contaminação. Por isso, devem ser manejados, gerenciados e descartados de forma a minimizar os riscos de contaminação do meio ambiente e da saúde […]

Em quase todas as cidades do país existem farmácias de manipulação. O segmento é uma opção para a compra de medicamentos e outros. O estabelecimento prepara ou manipula fórmulas de medicamentos magistrais e oficinais, fitoterápicos e suplementos alimentares, além de comercializar uma série de outros produtos. Diante da grande produção de remédios e diversos outros […]

Utilizada diariamente desde o início das pandemias, as máscaras de proteção tornaram-se peças totalmente presentes nos nossos cotidianos. E as máscaras descartáveis, justamente pela praticidade e baixo custo, mostram-se como as mais comuns dentre a população.  No entanto, temos aqui uma via de mão dupla: pelo fato de possuírem como matéria prima o TNT (tecido […]

Presente em todo tipo de ambiente que esteja relacionado de alguma maneira com a área da saúde, os resíduos provenientes dessas atividades podem causar sérios danos para a sociedade de uma maneira geral caso não sejam descartados da maneira correta.  O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS), por sua vez, é […]

Você sabe o que é o CDF (Certificado de Destinação Final de Resíduos)? Especialmente se sua empresa gera algum tipo de resíduo sólido, essa é uma sigla que você precisa saber muito bem o significado e qual sua importância.  O CDF é um documento que atesta que a tecnologia usada na destinação residual está em […]

Classificar e caracterizar resíduos, apesar de soarem como termos parecidos, são duas fases bem diferentes durante o processo de gerenciamento residual dentro de uma empresa. Cada uma apresenta particularidades que devem ser respeitadas.    Enquanto a caracterização se mostra uma fase em que são definidas as propriedades físicas, biológicas e composições químicas de um resíduo, […]

A pandemia do Coronavírus trouxe para o mundo uma série de mudanças no cotidiano das pessoas. E uma dessas mudanças mais significativas foi a adição de uma peça no guarda roupa que até então não era tão comum no Brasil: as máscaras de proteção.    Especialmente em áreas de maior contágio (como as grandes cidades, […]

Junte-se ao grupo exclusivo de conteúdos

e receba informações com prioridade!

hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh