Você sabe a diferença entre a classificação e a caracterização dos resíduos?

Classificar e caracterizar resíduos, apesar de soarem como termos parecidos, são duas fases bem diferentes durante o processo de gerenciamento residual dentro de uma empresa. Cada uma apresenta particularidades que devem ser respeitadas. 

 

Enquanto a caracterização se mostra uma fase em que são definidas as propriedades físicas, biológicas e composições químicas de um resíduo, a classificação se baseia em identificar as atividades que originaram o resíduo. 

 

No decorrer desse texto, vamos te explicar de forma detalhada as diferenças mais significativas entre a classificação e caracterização de resíduos.

 

O que é a caracterização dos resíduos?

 

Chegando na fase final do gerenciamento, a destinação final, é necessário que se tenha um conhecimento prévio sobre as características físicas, químicas e biológicas de cada resíduo. Essas informações são imprescindíveis para que o resíduo seja destinado da forma adequada para suas composições. 

 

Dessa forma, a caracterização, como o nome sugere, é a fase em que essas propriedades são identificadas e registradas. Com esses dados em mãos, a destinação final será realizada de maneira personalizada, levando sempre em consideração as caracterizações encontradas em cada resíduo. 

 

A primeira fase desse processo de caracterização consiste em uma descrição minuciosa das origens do produto, além de outras informações referentes ao estado físico, cor, odor e grau de heterogeneidade.

 

Na segunda fase, é avaliado o estado físico, o processo que se originou, a atividade industrial que o resíduo pertence e qual seu constituinte principal. E por fim, a terceira fase tem como objetivo definir a destinação final do resíduo.

 

O que é classificação dos resíduos?

 

Já no caso da classificação, o foco principal é identificar tanto os constituintes residuais quanto os processos que deram origem ao resíduo e, em um segundo momento, realizar uma comparação destes constituintes com a listagem de substâncias que tragam algum impacto para o meio ambiente. 

 

No Brasil, essa classificação é realizada por meio da NBR 10.004/04 da ABNT, que visa a identificação de eventuais riscos para o meio ambiente que os resíduos podem causar. 

Segundo a ABNT, as classificações dos resíduos são:

 

 

  • Resíduos Classe I – Perigosos: Resíduos que apresentam características como reatividade, toxicidade, corrosividade, inflamabilidade, etc. Exemplos: restos de tinta, material hospitalar, produtos radioativos. 
  • Resíduos Classe II A – Não inertes: Resíduos que não se encaixam nas classificações de resíduo Classe I ou resíduos de classe II B. Costumam possuir propriedades como combustibilidade ou solubilidade na água. Exemplos: restos de madeira, fibras de vidro, gessos e lixas. 

 

  • Resíduos Classe II B – Inertes: São resíduos que, quando entram em contato estático e dinâmico com a água deionizada ou destilada em temperatura ambiente, mantém seus constituintes com concentrações que perpassam aos padrões naturais de potabilidade da água. Exemplos: areia, sucata, entulhos de demolição.

Saber as particularidades existentes entre a classificação e a caracterização de resíduos é um ponto de extrema importância para realizar um gerenciamento de resíduos eficiente e correto em sua empresa. 

 

E necessitando de um auxílio profissional para gerenciar resíduos, você pode sempre contar com a experiência de 15 anos no mercado da Pró-Ambiental. Entre em contato conosco!

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Matérias Relacionados

Criada em 1946 pela International Organization for Standardization, um sistema administrativo que busca garantir e aperfeiçoar o desempenho dentro de uma empresa, auxiliando gestores a identificar e reparar processos falhos. No Brasil, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é a responsável pela norma ISO 9001. O selo ISO 9001 traz uma série de benefícios, como o reconhecimento da […]

A lâmpada de LED ou fluorescente substituiu as lâmpadas incandescentes pela sua eficiência energética, potência e tempo de vida. Porém, no dia a dia, é preciso ter cuidado com seu manuseio, devido às substâncias químicas que fazem parte da sua composição  e, principalmente, o cuidado no manuseio caso a lâmpada se quebre, tanto em relação ao […]

Com os avanços tecnológicos e a busca por fontes renováveis, o Brasil é o 14° país do mundo em instalação de painéis solares acima de 10 Gigawatts. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar, as usinas fotovoltaicas encontram-se com a sétima maior fonte de energia do país, gerando diversos benefícios que contribuem para a sustentabilidade do […]

Para toda empresa que realiza algum tipo de atividade (principal ou secundária) citada no Anexo I da Instrução Normativa IBAMA 6/13, o CTF mostra-se um documento indispensável e obrigatório para um funcionamento sustentável da companhia. O Cadastro Técnico Federal atua como um dos mais eficientes parâmetros para controle de qualidade ambiental no Brasil. Entretanto, a […]

Considerada como uma das mais completas e avançadas do mundo, a legislação ambiental brasileira visa reduzir da melhor forma possível os impactos ambientais ocasionados por pessoas físicas e jurídicas. O objetivo principal das leis ambientais é, acima de tudo, garantir um futuro sustentável para as próximas gerações.  Considerando esse fato, as leis ambientais devem ser […]

A sustentabilidade no mundo empresarial é um tópico que vem crescendo cada dia mais. Uma empresa atenta às pautas sustentáveis, além de estar contribuindo para um futuro melhor para as próximas gerações, também será vista como uma corporação que se preocupa com a preservação da natureza.  No entanto, alguns passos são fundamentais para que sua […]

A pandemia do COVID-19 marcou de forma muito significativa e delicada o ano de 2020. Basicamente todas as áreas da sociedade foram afetadas tanto pela doença em si quanto pelos resultados do isolamento social. E justamente pelas complicações que o ano de 2020 trouxe, a sustentabilidade nas empresas deverá passar por certas reformulações no próximo […]

Você sabe o que é o CDF (Certificado de Destinação Final de Resíduos)? Especialmente se sua empresa gera algum tipo de resíduo sólido, essa é uma sigla que você precisa saber muito bem o significado e qual sua importância.  O CDF é um documento que atesta que a tecnologia usada na destinação residual está em […]

Se a sua empresa trabalha com alguma atividade que envolva resíduos perigosos, é essencial que você saiba o que representa o curso de Movimentação de Produtos Perigosos, ou como é mais conhecido, o MOPP.  Essencial para evitar problemas ou acidentes que causem algum tipo de risco para a vida humana ou para a natureza, o […]

Se a sua empresa, durante o dia a dia de trabalho, produz algum tipo de resíduo, saiba que muito provavelmente ela deve estar em consonância com as orientações previstas no Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.    Seguir com rigor as leis do PGRS é um atestado de que a empresa consegue gerenciar os resíduos […]

Junte-se ao grupo exclusivo de conteúdos

e receba informações com prioridade!

hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh